educação empreendedora

O que é educação empreendedora e qual a sua importância na atualidade?

Com as mudanças do papel do estudante na aprendizagem, a educação empreendedora não apenas se fez relevante, como se tornou um processo necessário para preparar os alunos para o mundo real.

Além, é claro, de desenvolver e estimular pensamentos, ações e comportamentos naturais às novas gerações. Afinal, o espírito empreendedor tem se estruturado, hoje, cada vez mais cedo, apoiado pelo crescimento da relevância e do sucesso do empreendedorismo no mercado.

Segundo dados da Receita Federal, 80% dos negócios abertos em 2021 são MEI. Ou seja, mais de 3 milhões de novos microempreendedores individuais. As pequenas empresas estão logo após, em segundo lugar, no surgimento de novos empreendimentos.

E, segundo o SEBRAE, isso é um reflexo direto do cenário favorável ao micro e pequeno empreendedor, tanto em relação à baixa burocracia, quanto às oportunidades de sucesso.

A evolução das startups mostram exatamente isso. De acordo com a Forbes, o Brasil tem se tornado um dos protagonistas em startups avaliadas em mais de U $1 bilhão, chamadas unicórnios, aqui na América Latina.

É preciso, portanto, identificar que não estamos falando de uma tendência, e sim da realidade que os jovens adultos já vivenciam. A escola, como um dos principais responsáveis por preparar as novas gerações, deve se adequar a essas evoluções.

É exatamente nesse ponto que entra a educação empreendedora. Vamos entender melhor como ela funciona, sua importância na atualidade e como desenvolvê-la dentro do ambiente escolar?

O que é educação empreendedora?

Tal como o próprio nome sugere, estamos falando de uma metodologia de ensino focada em desenvolver características, conhecimentos e competências focadas na: “disposição ou capacidade de idealizar, coordenar e realizar projetos, serviços, negócios.”

Esse é, inclusive, um dos significados de empreendedorismo, segundo o dicionário Oxford.  Mas esse termo não é recente, como alguns imaginam, ele data do século XVII, desenvolvido por Jean-Baptiste Say, dentro da economia.

Hoje, no entanto, o estímulo à vontade de empreender e à iniciativa de implementar novos negócios abrange não apenas os alunos da graduação, mas também os da educação básica. Afinal, não se trata mais apenas de uma disciplina e sim de uma metodologia de aprendizagem que atua na base da formação educacional.

A ideia, portanto, é inserir atividades, dinâmicas e ensinamentos focados nas estratégias de educação que colocam o aluno como protagonista do seu aprendizado.

Importância e benefícios da educação empreendedora

A educação empreendedora é fundamental para desenvolver e capacitar os indivíduos, de todas as etapas da educação, para que atuem de maneira alinhada com as evoluções da sociedade.

Dessa forma eles estarão melhores preparados para o mercado de trabalho e para a convivência social. Além, é claro, de melhorar e agilizar o processo de aprendizado com práticas e estratégias que o colocam como protagonista do conhecimento.

Veja abaixo mais algumas vantagens de implantar a educação empreendedora:

  1. Estímulo à criatividade;
  2. Melhora na autonomia;
  3. Estrutura uma base sólida para que ele se sinta seguro em tomadas de decisões importantes;
  4. Auxilia na prática de melhores resoluções de problemas, mais rápidas e criativas;
  5. Desenvolvimento de pensamento crítico, liderança e espírito explorador;
  6. Aumenta o engajamento no aprendizado;
  7. Auxilia no desenvolvimento do indivíduo como agente transformador;
  8. Potencializa o espírito colaborativo e social;
  9. Prepara o aluno para o mercado de trabalho;
  10. Aumenta o senso de organização, responsabilidade e participação em todos os tipos de projetos, ações e atividades.

Como incluir o empreendedorismo na educação?

o que é educação empreendedora

1 – Estabelecer atividades que coloquem os alunos como agentes ativos

Como mencionamos, a evolução da sociedade, e consequentemente dos métodos de ensino, abriu espaço para a maior participação dos alunos durante seu aprendizado. Até pouco tempo o principal papel nesse processo era do professor, único detentor e transmissor do conhecimento.

Hoje, os alunos atuam como protagonistas, com mais independência e autonomia em todos os processos da aprendizagem. Para o desenvolvimento da educação empreendedora precisamos estimular exatamente esse novo posicionamento. Como?

Atualmente existem inúmeras metodologias, atividades e dinâmicas nesse sentido. Como, por exemplo:

  • Sala de aula invertida e a interativa;
  • Gamificação;
  • Debates;
  • Entre outras.

O ideal é trazer a interatividade e o protagonismo sempre que possível, dentro e fora da sala de aula. Saber tomar decisões, ponderar perdas e criar estratégias são algumas das habilidades que podem ser desenvolvidas com as atividades acima.

E, como já vimos, elas estão muito presentes no empreendedorismo.

2 – Desenvolver atividades que tragam exemplos reais de empreendedorismo

Apesar da educação empreendedora ser um reflexo natural do que os alunos já encontram em casa, é fundamental que a escola também traga exemplos reais de empreendedorismo. Como, por exemplo, workshops, palestras e cursos paralelos com experts do assunto.

Essa é uma prática muito comum nas universidades, mas também pode ser uma ótima inspiração e fonte de conhecimento prático para a educação básica. Além, é claro, de democratizar o acesso a esse tema para aqueles alunos que não vivenciam o empreendedorismo em casa.

Lembrando que essas atividades também aumentam o dinamismo do aprendizado, incentivando a interação e o engajamento dos alunos.

3 – Estimular mais o desenvolvimento de soluções do que a memorização

Há alguns anos, a memorização de fórmulas e a repetição eram as formas mais utilizadas para solucionar problemas. Sejam relacionados a matérias de exatas, humanas ou biológicas. O fato é que os alunos optavam por reproduzir soluções já prontas para o uso.

Isso, claro, torna o aprendizado engessado, repetitivo e nada exploratório. Ao oferecer ferramentas básicas, para que os estudantes possam elaborar e desenvolver seus próprios métodos, incentivamos a proatividade tão necessária ao empreendedorismo.

Não à toa que as transformações nos métodos de ensino da era digital estão apoiadas nos 4 pilares da educação:

  • Aprender a conhecer;
  • Aprender a fazer;
  • Aprender a conviver;
  • Aprender a ser.

Nos dois primeiros temos a clara participação ativa no processo de aprendizado, que dá autonomia para que os alunos saibam buscar como aprender e visualizem, na prática, os problemas.

Dessa forma eles não conseguirão apenas absorver melhor o conhecimento, como também encontrarão métodos de resolução mais lógicos e, quem sabe, melhores.

4 – Investir em ferramentas tecnológicas e estratégias criativas de aprendizado

Investir em tecnologia é uma das principais dicas para implantar a educação empreendedora. Facilitando a dispersão do conhecimento, melhorando a captura da atenção dos alunos e atualizando os métodos de aprendizagem.

Hoje, muitas ferramentas podem ser utilizadas no ambiente escolar, tais como:

  • Lousas digitais;
  • Computadores, notebooks e tablets;
  • Projetores comuns, ou em 3D;
  • Entre outras.

E destinar um orçamento para essas ferramentas digitais é, hoje, uma preocupação do Estado e das próprias instituições.

A tecnologia é um meio importante dentro dos novos métodos de aprendizagem. Afinal, além de estar presente no cotidiano dos alunos fora da sala, ela é um facilitador para aplicar e desenvolver atividades mais criativas, dinâmicas e interativas.

Investir em tecnologia é, portanto, um fator importante para desenvolver a educação empreendedora.

Não sabe por onde começar? Que tal implementar as ferramentas do Google? O Google Workspace conta com inúmeras ferramentas e funcionalidades muito interessantes! Conheça abaixo um pouco mais sobre o G Suite for Education.

G Suite for Education

O G Suite for Education é um pacote de ferramentas que a Google desenvolveu com o objetivo de oferecer às instituições de ensino uma série de facilidades tecnológicas.

A plataforma possui ferramentas de gestão, comunicação, criação e colaboração; todas visando facilitar a rotina de alunos, professores e gestores pedagógicos.

Algumas das funcionalidades do G Suite for Education:

  • Gmail;
  • Drive;
  • Criação (Documentos, PLanilhas, Apresentações, Formulários, Sites, My Maps);
  • Meet;
  • Chat;
  • Jamboard;
  • Agenda;
  • Grupos;
  • E, claro, o Classroom.

Não sabe ao certo como implantar ferramentas digitais na educação? A Safetec pode te ajudar!

A Safetec Educação é uma empresa de consultoria em tecnologia em nuvem que tem apresentado grande sucesso na implantação da transformação digital educacional em instituições de ensino.

Empregue também em sua escola os softwares que já estão ajudando 80 milhões de estudantes ao redor do mundo a se desenvolverem com muito mais engajamento, criatividade e aproveitamento.

Ficou interessado? Então, clique aqui e conheça a Safetec Educação.

 

Compartilhe com seus amigos!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on linkedin
LinkedIn